Nota

Retrocessos no Ensino da Língua Espanhola no Brasil

Retrocessos no Ensino da Língua Espanhola no Brasil Frente ao Novo Cenário Político Nacional com o Advento da Lei Ordinária n. 13.415/2017

Giliarde Ribeiro Nascimento

1. Bancário. Acadêmico de Direito da Universidade Federal do Tocantins – UFT, membro pesquisador do Núcleo de Estudos em Linguagens e Políticas para a Educação – NELPPE CAPES/IFTO e do Grupo de Estudos em Direitos Humanos, Violência, Estado e Sociedade – DHIVES CAPES/UNITINS. E-mail: giliarderibeirio@hotmail.com

RESUMO: tem-se por propositura neste digesto estudo analisar, refletir e criticar o retrocesso da lei ordinária n. 11.161/2005 frente às mudanças políticas no setor da educação nacional com o advento do Novo Ensino Médio introduzido pela Medida Provisória n. 746/2016 que culminou na positivação da Lei Ordinária n. 13.415/17 que altera negativamente o ensino da Língua Espanhola no Brasil, causando implicações na ordem da política internacional do Mercado Comum do Sul – MERCOSUL e na consolidação do alcance dos objetivos da Declaração do Milênio de 2000 (ONU), bem como reflete entraves à materialização do direito fundamental social à educação, . Portanto, objetivou-se confirmar o retrocesso humano, de desenvolvimento nacional e seus reflexos futuros para toda a sociedade brasileira. A pesquisa bibliográfica, história e normativa foi desenvolvida com abordagem qualitativa, concluindo-se (…)

Caros leitores, o presente estudo trata-se de um artigo científico em fase de conclusão para submissão a periódico científico nacional. O estudo versa sobre o Novo Cenário Político brasileiro e suas implicações negativas no setor da educação, notadamente do ensino do Espanhol.

Anúncios

Shakespeare numa releitura

cropped-direito-05.png

No ano da publicação do meu primeiro livro, tornando-me oficialmente escritor não só de artigos científicos como também de uma obra literária, venho noticiar o processo decisório para a escolha do título e subtítulo do livro em comento.

Depois de dias de reflexão, me vieram algumas ideias para titular minha obra, porém, a missão não foi simples.

Lidar com algo dessa magnitude que percorrerá toda a minha história de vida, é uma delicada missão. Afinal de contas, estou falando de um livro, uma publicação, algo que deve tomar espaço de destaque.

Assim, procurei nortear minhas ideias através dos seguintes termos: simplicidade, objetividade, mistério, atração e ousadia. Desta feita, tornou-se mais fácil, digamos assim, pensar em títulos possíveis de acordo com a finalidade da obra, tratando a obra, relembro, de manuscritos poéticos de cunho romancista.

Nesta bagagem, pensei num dos romances mais celebrados de toda a história e que muito me apetece, falo da obra de Shakespeare, Romeu e Julieta. Sendo os meus manuscritos de linha romântica, tratei de pensar em algo alusivo, mas original.

De ideias chegando e partindo, surgiu o seguinte título e subtítulo: Eu Romeu? Entre Encontros e Despedidas.

E, de pronto, decidi acatar. Ao encontrar aludido título, senti um enorme carinho que o fez prevalecer sobre muitos outros. Dar à obra a honra do romance de Shakespeare é muito gratificante. Não deixo de registrar que não tomei do autor aquilo que o torna ilustre, apenas me coloquei na condição de apreciador e aprendiz da arte.

Assim, oficialmente declaro “Eu Romeu? Entre Encontros e Despedidas” a próxima obra a ser lançada ainda no primeiro semestre deste ano de 2017 no Brasil.

 

Expedição Fotográfica

Sob o chamado “Expedição Bravo de Fotografia”, o instituído grupo de pesquisa científica em Direitos Humanos, Violência, Estado e Sociedade da Universidade Estadual do Tocantins busca discutir, por meio de fotografias, a realidade urbana da mais jovem capital do Brasil, a Cidade de Palmas.

A proposta nasceu do projeto de pesquisa Direito, Cinema e Fotografia da Unitins. Dessa forma, dar-se espaço a importante difusão crítica sobre tudo que acerca a vida na capital, sob a ótica dos próprios moradores.

Centralizam toda a expedição em epígrafe os seguintes questionamentos:

  1. Onde vivemos?
  2. Como vivemos?
  3. O que gostaríamos de viver nessa cidade?

Ficou interessado na Expedição Bravo de Fotografia? Confira abaixo a programação.

1° Dia da Expedição

Cidade: Palmas

Local: Espaço Cultural (Cinema)

Data: 25/03/2017

Horário: 15h00min

2° Dia da Expedição  

Cidade: Palmas

Local: Praça dos Girassóis (Palácio do Araguaia)

Data: 26/03/2017

Horário: 15h00min

Toda a programação é totalmente gratuita. No entanto, é importante levar um pacote de pipoca num dos dias de participação. O material será destinada a um projeto da rede pública de ensino voltado para a promoção do cinema entre crianças e adolescentes na Capital.

Inscreva-se no evento clicando aqui!

Caros leitores do Pesquisa & Direito, estarei a participar do evento no dia 25/03/2015 na condição de membro do DIHVES.

Até lá!

17201126_1231818313605905_4200583838355395835_n

Publicação de Livro

post blog.png

Feliz dia 18 (dezoito) do mês 2 (fevereiro) do ano de 2017 (dois mil e dezessete)!
Hoje resolvi escrever e compartilhar um novo projeto que idealizei para tomar concreção no corrente ano.
Pois bem, é com singular alegria que dou por conhecido que venho trabalhando na confecção e futura publicação de livro de gênero poético. Para maior esclarecimento, tenho habilidade poética que muito foi expressada nos anos da escola secundária. Atualmente, lanço-me na escrita científica e, por conveniência, precisei deixar de lado os deleites da imaginação poética em gaveta especial do “arquivo vida”. Não obstante, guardo inúmeros escritos que recentemente despertaram boas memórias. Diante da importância da poesia na minha formação humana, decidi registrar e publicar selecionado material em forma de livro com catalogação nacional e internacional.
Do livro: o gênero literário Poesia de cunho romântico-idealista será a aposta da produção que já conta com 30 escritos selecionados. A intenção é despertar a sensibilidade humana para a vida, visto constarmos rotineiramente que institutos preciosos da identidade humana perdem-se meio aos modernos institutos da globalização de revelado cunho capitalista e dosado de desumanismo.
Conhece-se da importância do caráter histórico de ganhos imprescindíveis à continuação da vida planetária liderada pelo mais elevado primata em nível racional, o ser humano. Desta forma, correr de encontro ao não esquecimento do valor imaterial da vida é dever de todos que acreditam num mundo que merece um desenvolvimento no formato humanizador de raça.
A título de justificação, a confecção e publicação de um livro é engrandecedor a qualquer acadêmico que enxerga na ciência assentos mais promissores. Ademais, não é egoismo buscar consolidação científica, mas é egoismo usar-se da ciência para ganhos mesquinhos desconexos do contexto da busca por assentamentos de conhecimentos necessários ao progresso da humanidade.
À guisa de conclusão, esclareço que não me afastarei de novos estudos científicos para publicação em forma de artigo em periódicos nacionais. Como já anunciado, tornei-me membro de novo Grupo de Pesquisa: Direitos Humanos, Violência , Estado e Sociedade, que exige níveis de produção. Sem deixar de lado minha outra participação científica em Grupo de Pesquisa na área de linguagens e políticas públicas educacionais, deixo aqui o anúncio de que novo artigo será publicado ainda no primeiro semestre deste ano em revista científica.

Aguardem meus novos comunicados! Passar bem, leitores.